… bom é quando faz mal.

* Se estiver com pressa, leia apenas o box final (em amarelo).

MINHA INTRODUÇÃO À LOST

Em meados de 2006, após insistência do meu primo, decidi começar a assistir essa série que já havia passado o olho algumas vezes quando trocava de canais na TV. Naquela época estava sendo exibido lá fora a 2ª temporada, e como eu ainda não estava “dominado pelo vício”, quis logo começar atualizado e procurei um daqueles episódios recap da 1ª temporada para logo em seguida começar a de onde estava exibindo.

Terminado a segunda temporada, fiquei tão fissurado que baixei toda a e assisti nas férias que anteciparam o início da . À partir dali foi uma história de amor. Meses a fio varando a madrugada esperando sair o episódio pra download. Assistia na maioria das vezes sem legenda, e no dia seguinte assistia novamente em português pra pegar as falas que não tivesse entendido – as vezes não precisava. Mas foram poucas as vezes que deixei pra assistir no dia seguinte, tamanho o vício.

Nenhuma série havia me prendido na cadeira, creio que, desde Arquivo X (1993 à 2002). Tanto isso mudou minha vida, que foi depois de Lost que voltei a me interessar por séries e acompanhar tantas outras.

IDAS, VINDAS E REVIRAVOLTAS

Eu particularmente divido Lost em 3 etapas: A primeira, considerada dos grandes mistérios, enigmas e tramas pessoais, composta pelas 3 primeiras temporadas (embora as 2 primeiras tenham focado mais na “arquitetura” dos personagens). A segunda etapa sendo composta pela e 5ª temporadas, e responsáveis pelas maiores “viagens” da série. Essa “segunda etapa”, ao meu ver, também foi a responsável pelas maiores inovações, incluindo a forma de narrativa “fora da Ilha”. Essas mudanças fizeram com que muita gente torcesse o nariz. Muitos fãs fervorosos divulgaram ter deixado de lado o interesse completo pela série ou mesmo colocando de lado como “apenas mais uma”. Por outro lado, muitos outros também passaram a gostar ainda mais. E estou incluído nesse segundo grupo. Enfim, a terceira etapa, composta unicamente da 6ª temporada, sendo muito possivelmente a mais controversa de todas.

FIM DA SÉRIE

Claramente, os produtores decidiram não resolver todos os mistérios – assim como declararam antes mesmo de começar a 6ª e última temporada e contrariando muitos fãs – mas não esperávamos também que não tivessemos quase nenhuma solução, ou ainda respostas fracas demais. E isso talvez seja uma das maiores decepções dentre os espectadores. Mas se pararmos um pouco pra pensar, tivemos nuitas respostas, mesmo que nem todas tenham sido completamente satisfatórias.

O rumo tomado pela 6ª temporadaassim como as inovações de todas as temporadas anteriores -, pode ter sido um pouco diferente do esperado por alguns, mas bastante previsível (e não negativamente) para muitos outros. Não creio que tenha sido falha ou desnecessária. Além disso, é preciso lembrar um pouco de que Lost não se estabelece unicamente nos mistérios, mas também evidentemente nos dramas. E essa é parte primordial de eu ter sido preso durante tantos anos por um programa de tv.

Como eu disse em outros lugares, quando terminei o episódio final: eu não esperava resposta para todos os mistérios E não precisamos delas. Não é tão mais interessante ter argumentos para discuti-las e criarmos nossas próprias teorias, como fizemos durante esses 6 anos? É inevitável a indignação de não termos as respostas para todas as perguntas, assim como é na vida real. Nosso maior problema é o comodismo de querer tudo respondido de mão beijada.

MINHA CONCLUSÃO

Apesar das cenas finais estilo “fim de novela” (eu não consegui me emocionar nessa cena, apenas rir), eu não consegui pensar em outro final para Lost. Todos os possíveis encerramentos que houvessem “explicação para tudo ou quase tudo” correriam o risco de serem excessivamente banais, ou irem diretamente contra aquilo que queríamos que fosse. Mas eu PRECISO dizer que as referências do episódio final com o resto de toda a série se conectando foi simplesmente incrível. Impossível não ter se em “embabacado” com pelo menos isso.

Se olharmos pelo ângulo correto, veremos o toque de genialidade que sempre houve na série, e talvez em algum determinado momento todos nós conseguiremos chegar à um consenso de que toda ela foi aquilo que deveria ser. Enquanto isso, muitas discussões, controvérsias e opiniões discordantes irão rolar. Afinal, cada um é cada um, e todos temos nossos próprios gostos e opiniões.

Definitivamente não importa se o FINAL me agradou ou não. O que importa é tudo de maravilhoso que essa série me proporcionou ao longo desses 6 anos (na verdade, 5 pra mim). Cada lágrima, cada cara de espanto, cada queixo caído, cada coração apertado e respiração curta, cada espectativa para a próxima semana… e agora a falta de tudo isso, e o vazio que ela deixará…

Ainda estou dividido entre ficar feliz pelo final que eu previa, ou ficar indignado pela falta de solução aos quebra-cabeças que me tiraram tantas noites de sono. Por enquanto ficarei apenas com a sensação de dever cumprido.

* Se ainda tiverem paciência, leiam esse post SENSACIONAL que descobri logo assim que encerrei o meu post aqui. Ele diz quase tudo que penso e sinto sobre toda a série. Inclusive cortei muita coisa do meu próprio texto por conter nesse outro a mesma coisa, de forma muito mais concisa. Leitura obrigatória: LINK EXTERNO

Tags:

Melhores Álbuns de 2009

Rock, Metal, Hardcore e afins

No ano passado escrevi um artigo gigante com 25 dos melhores álbuns de 2008, detalhando cada uma das escolhas, fazendo uma resenha bem razoável. Por preguiça de ficar revisando acabei nunca publicando. Esse ano resolvi tentar de novo, dessa vez mais compacto, com apenas 15 escolhidos.

A lista está bastante variada, de rock alternativo à death metal, se atendo ao que costumo escutar dentro do gênero, sub-gêneros e afins semelhantes. Deixei um breve comentário em cada uma das escolhas… porém todos os álbuns foram colocados minuciosamente em ordem, buscando classificar quase que por notas cada um deles. Então, lá vai minha lista de 2009:

#15

The Red Jumpsuit ApparatusLonely Road

(Alternative Rock)

Um pouco de rock, de pop punk e power pop. Não chega a ser tão bom quanto o álbum anterior, mas “Lonely Road” consegue agradar e trazer alguns singles dignos de ocuparum bom tempo no player.

#14

He Is LegendIt Hates You

(Southern Rock)

O quarto álbum em estúdio da banda chega meio morno, mas muito competente. Esquenta em alguns momentos, mas também não chega a levantar defuntos. Muitas faixas ótimas, outras mais ou menos. Merece um mérito pelas “ótimas” serem realmente ótimas.


#13

The Chariot Wars and Rumors of Wars

(Mathcore)

Eu gostaria de dar a esse álbum uma posição mais acima. Porém se tornou difícil apenas pelo fato de seus competidores terem realmente muitos motivos para estarem lá. Esse “disco” é caótico do jeito que a gente gosta, e não força em momento nenhum. Embora em algum momento soe repetitivo, após uma breve pausa do play, ele volta a ser muito interessante.

#12

Saosin In Search Of Solid Ground

(Emocore)

Está aí o primeiro álbum da lista que me surpreendeu bastante.  Não esperava mais que a banda conseguisse nos dar uma full length decente, e não é que o Sr. Cove e companhia conseguiram e com louvor? Esse é sim um dos álbuns que após descobrir em 2009 não mais saiu das playlists.

#11

DevildriverPray For Villains

(Groove Metal)

“Nada muito surpreendente”, você diria ao ouvir de primeira. Mas após a segunda audição, certamente você fará uma terceira, quarta e assim por diante. Esse novo álbum é de longe melhor do que seu antecessor. Que aqui entre nós já foi um puta de um lançamento há 2 anos atrás. Baseado nisso, junte com o que acabei de dizer e calcule o poder de “Pray For Villains”.


#10

The Agonist Lullabies For The Dormant Mind

(Melodic Death Metal)

Esse lançamento foi sem sombra de dúvidas um dos mais violentos e porradeiros da lista. Quem já achava o som do The Agonist coisa pra macho virado de cabeça pra baixo, chupando limão e olhando pro sol… vai ver que a coisa ficou ainda mais aterrorizante. E sabe o que é melhor? Os momentos intercalados de pura poesia nas partes limpas, como se fossem anjos cantando no paraíso em contraste com os cavaleiros do apocalipse se aproximando. Poesia pura, de verdade. “Boniteza” e qualidade acima do normal, da faixa 1 à décima primeira.


#09

AtreyuCongregation Of The Damned

(Metalcore)

Assumo que minha paciência para Atreyu havia se esgotado há muito tempo. Mesmo tendo diversas vezes colocado para ouvir “A Death Grip On Yesterday” – que para mim já não era mais a mesma banda -, tudo lançado depois disso considerei inexistente. Mas com esse novo play, a coisa mudou totalmente de figura. É claro que ainda não é de novo a mesma banda que conhecemos até “The Crimson”, mas voltaram com a porrada certa, e me fizeram gamar de novo. Acelerado, alterado, comprometido e revigorante. Vale devorar cada faixa como se fosse a última.


#08

Breaking BenjaminDear Agony

(Alternative Rock)

Aconselhado para todas as idades e classes sociais. Brincadeiras à parte, Ben conseguiu criar uma obra prima com “Dear Agony”. Nada de cliches, nada de forçar a barra. Ele é, do início ao fim, aquilo que a gente espera da banda: competência até o talo. Todas as faixas empolgam, incluindo as mais calmas. E a pegada nem se fala. Fecha a porta e quebra tudo!



#07

Oh, SleeperSon Of The Morning

(Metalcore)

Som amadurecido, faixas cativantes e sinceridade à flor da pele. São algumas das coisas que esse álbum trás e gruda no player. Forte e preciso. Sonoridade de deixar qualquer banda do estilo com inveja. Embora o gênero esteja mais do que saturado, Oh, Sleeper  mesmo sendo uma banda nova, consegue alcançar seu lugar no paraíso. O crescimento em relação ao antecessor é evidente já na primeira faixa, e se prolonga até a última. Não dá nem pra comparar. E não é a toa que está entre os 10 primeiros. Uma das melhores surpresas do ano que passou.


#06

Winds Of PlagueThe Great Stone War

(Deathcore)

A marca  do Winds que mistura pitadas de deathcore com doses de symphonic é ainda mais evidente nesse álbum. Soa grotesco, mas não evita cair na melodia. Um balanço do belo e do podre. O álbum é sujo e decadente… mas na melhor das conotações. É lindo e brilhante, na pior delas. Confuso ou não, só escutando para entender. A cada novo lançamento  mais eu adoro essa banda. É incrível de se ouvir, e cada faixa parece contar uma história. Clima épico boa parte do tempo e breakdowns de deixar arrepiado. Mas só ouça se tiver culhões. Porque o som pode estourar um ou dois tímpanos.


#05

Evergreen Terrace Almost Home

(Hardcore)

Talvez o melhor trabalho da banda já lançado. O primeiro single “Sending Signals” é realmente uma das melhores do CD que trás outras 10 faixas sem defeitos. Empolgante do início ao fim. É pra mim um dos melhores álbuns de hardcore dos últimos 5 anos ou mais.

#04

Emery –  …In Shallow Seas We Sail

(Emocore)

Um álbum simplesmente fantástico, que me remete muito ao trabalho feito em “The Question” (2005). Realmente lindo, com várias faixas que gamam logo de cara. Assim que esse disco caiu em minhas mãos, eu não parei mais de ouvir. Não tem uma única música que eu considere “mais ou menos”, e fica difícil escolher quais são as melhores. Sem sombra de dúvidas ainda ficará no player por muitos bons anos.

#03

A Day To RememberHomesick

(Post-hardcore)

Esse é um disco que como comentei há algumas semanas, começa épico e termina épico. Há muito tempo não ficava tão surpreso positivamente ouvindo um álbum de post-hc. E olha que até então eu só conhecia algumas poucas músicas da banda. Agora? Estou apaixonado. Leva a medalha de bronze – com muito mérito – como um dos melhores do ano. Sem pensar duas vezes.

#02

The Devil Wears PradaWith Roots Above And Branches Below

(Metalcore)

Uma obra de arte. É como eu definiria esse álbum em apenas um adjetivo. Acredito que ele contém uma maturidade acima do esperado, quando se trata de uma banda tão recente. O terceiro trabalho dos caras é o menos caótico de todos, porém o mais conciso e virtuoso, na minha humilde opinião. E com a maior sinceridade do mundo: foi nesse último ano um dos 2 álbuns que mais me fez arregalar os olhos ao ouvir pela primeira vez. Tão excelente que terão muito o que ralar para conseguir um próximo disco no mesmo nível.

#01

August Burns RedConstellations

(Metalcore)

Quase me faltam palavras para mensurar a qualidade e a importância desse álbum. Sempre curti o som da banda, mas depois de “Constellations” eu definitivamente virei fã. Genial. Belíssimo. Penetrante. Viciante. Contém tudo aquilo que o gênero exige, e vai além. Esse não é só mais um “disquinho” de metalcore, mas um divisor de águas e uma prova de que ainda é possível ser original em meio à essa cena já batida. Indiscutivelmente medalha de ouro, é orgulhosamente que declaro esse o Álbum do Ano.

Houveram outros álbuns excelentes em 2009, dignos de menção honrosa. Porém, deixo em aberto para quem quiser comentar e deixar seu próprio TOP do ano que passou.

Conforme prometido, segue a trilha do restante dos episódios de Beijo Me Liga, que comecei nesse post aqui.

EPISÓDIO 13

Lady Gaga – “Summerboy”
Garbage – “Only Happy When It Rains”
Hot Chip – “Ready fo the Floor”
McFly – “Pinball Wizard”

EPISÓDIO 14

Queen and David Bowie – “Under Pressure”
Led Zepellin – “Kashmir”
Eagle Eye – “Eagle Eye”
Black Sabbath – “Laguna Sunrise”
Foo Fighters – “Times Like These (acoustic)”
DJ Herbie ft. Julee Cruise – “Falling”
Zélia Duncan – “Alma”

EPISÓDIO 15

Oingo Boingo – “Weird Science”
John Debney – “Julie Takes a Shower (Instrumental)”
John Debney – “The Note (Instrumental)”
Pino Donaggio – “For The Last Time We’ll Pray (Instrumental)”
The Chemical Brothers – “Playground For a Wedgeless Firm”
Jeremiah – “Birthday Sex”
Mars Attacks Soundtrack – “Introduction (Instrumental)”
Queen – “Princes of the Universe”

EPISÓDIO 16

Presidents of the U.S.A. – “Video Killed the Radio Star”
DJ Luluta ft. Micheline Cardoso – “Made in Brazil”
Wall-E Soundtrack – “Fixing Wall-E”
Fé Pascoal – “Cima Bora”
DJ Bobo – “Celebration”
AC/DC – “Jailbreak”
Titãs – “É Preciso Saber Viver”

EPISÓDIO 17

Cake – “Never There”
Tales From the Crypt – “Instrumental”
Hot Chocolate – “You Sexy Thing”
Owl City – “Fireflies”
Green Day – “Know Your Enemy”
Mighty Yo – “On Brodway”
Barão Vermelho – “Down Em Mim”

EPISÓDIO 18

Sugarbabes – “Get Sexy”
Steely Dan – “Do It Again”
The Art of Noise ft. Duane Eddy – “Peter Gunn”
ATB – “Let You Go (Reworked)”
AC/DC – “You Shook me All Night Long”
Thomas Newman – “True Art of Music”
Kid Abelha – “Eu To Tentando”

EPISÓDIO 19

So They Say – “Forever Young”
Garbage – “#1 Crush”
Ludovico Einaudi – “Fairytale”
Beto Guedes – “Feira Moderna”
Radiohead – “Creep”

EPISÓDIO 20

Rajar – “Irmandade”
CCR – “I Heard It Through The Grapevine”
Lenine – “O Último Pôr Do Sol”
Juliana Ramos – “Seu Nome”
Baha Men – “Who Let The Dogs Out”
Paralamas Do Sucesso – “Aonde Quer Que eu Vá”
U2 – “I Still Haven’t Found What I’ve Been Looking For”
Natasha – “Tempo”
Duran Duran – “Ordinary World”
Royal Philharmonic Orchestra – “Champagne Supernova”

Na semana passada foram exibidos os últimos 5 episódios da 1ª temporada da série, e como de praxe venho aqui trazendo o guia atualizado da semana.

Atualmente a Multishow está reprisando todos os episódios, no mesmo horário: de segunda à sexta, às 18:45h. Além dos horários alternativos de 4:50h e 14:00h. E aos sábados são exibidos os 5 episódios da semana em questão, começando às 16:45h.

Novidades sobre a série, com informações atualizadas, curiosidades e muito mais, você continua acompanhando por aqui. Na próxima semana irei trazer  algumas coisas bem interessantes. E não deixe de votar na enquete ao final do post, participando com qual personagem é seu favorito.

Episódios 01 ao 05
Episódios 06 ao 10
Episódios 11 ao 15

EP.16 – PRA QUE SERVEM OS AMIGOS

Monique é convidada para fotografar um catálogo de moda-praia. Com medo de que a amiga se meta em outra furada do tipo “Sex, Blood and Videotape”, Tainá acompanha Monique na sessão de fotos. Só que acaba criando uma tremenda confusão quando o fotógrafo se encanta por ela: Monique morre de ciúmes e se sente traída. Kaká descobre e fica furiosa com as duas que não contaram nada pra ela. Vingativa, espalha pra todo o mundo que Monique está tirando fotos pelada.

EP.17 – MUSEU DOS FAMOSOS

Monique é colecionadora de raridades de famosos: do chiclete do Gabriel Pensador à pipoca que o Cauã Raymond deixou cair no cinema, ela guarda bizarrices de todos os tipos. Convidada para um comercial de suco de laranja, ela vai com uma jaqueta que a muito custo conseguiu pegar emprestada do Cesinha. A gravação é com o ator Eduardo Galvão, que ela adora, e sem querer, ele derrama café na jaqueta. Pronto. Agora aquela mancha de café virou uma relíquia, e Monique não quer devolver de jeito nenhum, só que Cesinha tem um ciúme muito grande e não vai abrir mão de querer a jaqueta de volta.

EP.18 – PROBLEMA FEMININO URGENTE

A mãe da Kaká anda tão diferente… e Kaká tem certeza que ela está tendo um caso. Os amigos dão força, afinal, a mãe dela é separada, tá mais do que no direito de namorar! Mas Kaká pressente que tem “algo mais” nessa situação, senão… pra quê esconder? E conta com a ajuda de Elepê para descobrir quem é esse misterioso amante da mãe. De quebra ela acaba envolvendo o pai e junto com os cinco amigos, descobre que o “mundo dos adultos” é muito mais estranho e “heavy metal” do que ela poderia imaginar.

EP.19 – O ESTRESSE

A mãe da Kaká está em pânico: recebeu um telefonema assustador dizendo que a menina foi sequestrada. Os amigos tentam acalmá-la, afinal, esse é um trote comum que os bandidos vivem espalhando na cidade. Só que todos começam a se preocupar quando começam a procurar por ela e não conseguem encontrar Kaká em lugar nenhum. Será que foi sequestro de verdade?

EP.20 – BEIJO ME LIGA

Natália – ex-namorada de Cesinha que foi para os Estados Unidos – vai voltar para o Brasil. Ela manda um scrap super carinhoso para ele, e Cesinha fica pra lá de confuso com a situação. Todos ficam preocupados: quando eles namoravam, ela fazia de tudo para separar Cesinha dos amigos. Natália tem uma personalidade forte, polêmica, é falsa, manipuladora e ninguém gosta dela! Enciumada, Tainá resolve convidar Cesinha para sua casa e seduzi-lo.

Segue o guia de episódios dessa terceira semana de “Beijo, Me Liga”. E na semana que vem, a quarta e última. Pra dar uma olhada nos episódios anteriores à esses, aqui tem da primeira semana e aqui da segunda. Nessa próxima semana também irei trazer mais algumas novidades por aqui, incluindo algumas entrevistas exclusivas.

EP.11 – CRISE EXISTENCIAL

photo: Rafael GringoCesinha está em crise existencial. Insatisfeito com o seu visual, quer mudar radicalmente: quer malhar, ir à praia, pegar onda…  Os amigos dão a maior força, até que percebem que Cesinha está mudando o seu comportamento: irritado,  agressivo e grosseiro como nunca foi – e pior: descobrem que Cesinha está afim de tomar anabolizantes pra ficar forte mais rápido. Assustados, querem convencer o amigo a mudar de idéia, mas só conseguem irritar Cesinha ainda mais.

EP.12 – HERÓIS

photo: Rafael GringoKaká é uma eterna carente e está sempre querendo chamar a atenção da mãe workaholic e “ausente”.  Dessa vez ela tira a maquiagem e para de usar suas roupas malucas: mas pra sua decepção, a mãe nem percebe a mudança. Arrasada, ela conta com a ajuda de Elepê, que também está em crise com a mãe dominadora e superprotetora – exatamente o oposto da mãe da Kaká! Como sempre, Elepê resolve levantar o astral da amiga. E juntos, eles descobrem que têm muito mais em comum do que imaginavam.

EP.13 – NINGUÉM PODE SABER

photo: Rafael GringoMonique vai para uma festa de aniversário na casa de uns amigos e bebe além da conta. Acaba dormindo lá mesmo e quando acorda está passando muito mal e pior… Descobre que dormiu com “alguém”… Pior ainda: está com amnésia alcoólica e não se lembra de nada do que aconteceu! Pior do que pior ainda: seu celular não para de tocar – é Tainá, pra variar às voltas com outro perdido do Marcão.

EP.14 – CONSELHOS

photo: Rafael GringoTainá se envolve com um surfista gato que acabou de conhecer na praia e já pensa em um jeito de perder a virgindade com ele…  Ao mesmo tempo em que Marcão resolve armar com uma “amiga gostosa” pra tirar a virgindade do Cesinha. Enquanto Kaká e Monique aconselham Tainá a não se meter em confusão outra vez, Elepê dá a maior força no plano de Marcão. Lógico que Tainá não segue os conselhos das amigas. Enquanto Cesinha cai na armadilha.

EP.15 – SEXTA-FEIRA TREZE

photo: Rafael GringoÉ sexta-feira treze. Cesinha recebe uma corrente aterrorizante e ameaçadora por e-mail, dessas tipo “… envie para treze amigos ou você sentirá a presença de uma pessoa que já morreu… e o azar vai te acompanhar pra sempre!” – e via das dúvidas, ele decide enviar pra todo o mundo. Coincidência ou não, nesse dia tudo dá errado para os nossos seis amigos, e a noite acaba trazendo uma surpresa assustadora.

photo: Rafael Gringo

Como o Bom é quando faz mal está sempre falando sobre música e também sobre seriados, resolvi unir as duas coisas e colocar uma listagem das músicas do Beijo Me Liga – série que ando falando bastante por aqui ultimamente. A música tema que toca na abertura é a que dá nome à própria série Beijo Me Liga, da banda Aliados.

A seguir as músicas que tocaram durante os episódios, do 01 ao 12:

EPISÓDIO 01

Shakira – “Ojos Asi”
Eric Prydz – “Pjano”
Black Eyed Peas – “Boom Boom Pow”
Rudenko – “Everybody”
Aliados – “Direto Ao Assunto”
Pitty – “Me Adora”
Joe Cocker – “With a little help from my friends”
Across The Universe Soundtrack – “With a little help from my friends”

EPISÓDIO 02

Kid Cudi – “Make Her Say”
Stellabella – “As Vezes”
Ira – “Envelheço na Cidade”
Madonna – “Vogue (In bed with Madonna edit)”
The Ting Tings – “Great DJ”
Queen – “You’re My Best Friend”

EPISÓDIO 03

Ida Corr vs. Fedde Le Grand – “Let me Think About It”
Moby – “Porcelain”
David May feat. Kevin Scott – “I’ll Be Watching You”
The All-American Rejects – “The Last Song”
Hair Soundtrack – “Aquarius”

EPISÓDIO 04

Slumdog Millionaire – “Mausam And Escape”
The Crystal Method – “Starting Over”
Eagle Eye Soundtrack – “Eagle Eye”
Elvis VS. JXL – “A Little Less Conversation”

EPISÓDIO 05

Van Halen – “Oh, Pretty Woman”
Enter The Dragon Soundtrack – “Enter The Dragon Theme”
The All-American Rejects – “Dirty Little Secret”
Bauhaus – “Bela Lugosi’s Dead”
Weezer VS. Tugboat – “El Scorcho (8-bit Remake)”
The Brand New Heavies – “You Got A Friend”

EPISÓDIO 06

La Roux – “Bullletproof”
Ja Rule ft. Fat Joe – “New York”
E Nomine – “Vater Unser (Padre Nuestro)”
Thomas Newman – “Instrumental (Michael vs. David)”
Echo & The Bunnymen – “People are Strange”
Paloma Faith – “New York”

EPISÓDIO 07

Romeo + Juliet Soundtrack – “Kissing You (Instrumental)”
Flo Rida ft. Kesha – “Right Round”
Chainside – “I Would Die for You (Club Mix)”
Stellabella – “As Vezes”

EPISÓDIO 08

Pitbull – “I Know You Want Me (Calle Ocho)”
Marilyn Manson – “Sweet Dreams”
Metallica – “The Day That Never Comes”
Bachman Turner Overdrive – “Hold Back the Water”
Revolver Soundtrack – “Revolver”

EPISÓDIO 09

Black Sabbath – “Wheels of Confusion”
Deep Dish ft. Anousheh Khalili – “Flashdance”
Glow – “Dancing Queen”
The Royal Philharmonic Orquestra – “Dancing Queen”
Vários Artistas – “Dancing Queen (Mix BML)”

EPISÓDIO 10

Chainside – “I Would Die For You (lounge acapella)”
Rajar – “S.O.S.”
Cake – “Short Skirt/Long Jacket”
Fireflies – “Owl City”
The Clash – “Should I Stay or Should I Go”
Paralamas – “Lanterna dos Afogados”

EPISÓDIO 11

Kaiser Chiefs – “Everyday I Love You Less and Less”
Eagle Eye Soundtrack – “Eagle Eye”
Paramore – “Ignorance”
Colbie Caillat – “Fallin’ For You”
Oasis – “Champagne Supernova”

EPISÓDIO 12

Pink – “Please Don’t Leave Me”
Johnny Cash – “Sixteen Tons”
Michael Franti – “Say Hey (I Love You)”
The Wallflowers – “Heroes”
Captain Jack – “Say Captain Say Wot”
Titãs – “Diversão”

Lembrando que as músicas estão listadas exatamente na ordem em que é executada no episódio. Na próxima semana eu volto com nova listagem dos episódios que estão por vir.

Sinopse oficial dos episódios da segunda semana de “Beijo Me Liga”, com um resumo de tudo que aconteceu. Para ver o resumo da primeira semana só dar uma olhada nesse post.

EP.06 – SEX, BLOOD AND VIDEOTAPE

photo: Rafael GringoMonique resolve investir na sua carreira de modelo-atriz. Com a ajuda de Elepê, ela produz um videobook e manda para todos os lugares possíveis e imagináveis, inclusive para o site de uma produtora americana que seleciona modelos brasileiras para um seriado sobre… vampiros! Monique é selecionada e ganha uma viagem para fazer o teste em Nova York, achando que é para um seriado jovem tipo “Crepúsculo”. Na verdade, Monique está se metendo numa tremenda roubada: o teste é para um seriado de “terror erótico” chamado “Sex, Blood and Videotape”! Sozinha em outro país e cara a cara com um cafetão jamaicano de meter medo… como é que a nossa amiga vai sair dessa?

EP.07 – ARQUIVO CONFIDENCIAL

photo: Rafael GringoCesinha sempre teve uma queda pela Tainá. E quando ela pede pro amigo ajudar a treinar pra prova de mudança de faixa no kung-fu, lógico que ele vai correndo! Eles passam a manhã sozinhos, treinando, juntinhos… Cesinha fica ainda mais apaixonado. Quando chega em casa, percebe que Tainá esqueceu seu casaco e sua agenda no meio das coisas dele: claro que vai fuçar o diário da garota, mas não gosta de nada do que lê: ela só fala do Marcão, fotos do Marcão, poesias e comentários sobre o Marcão… Enciumado, Cesinha decide entregar a agenda na casa do Marcão, deixando Tainá numa tremenda saia justa.

EP.08 – QUEM É O PITBOY?

photo: Rafael GringoNuma festa com a galera toda reunida, Tainá quer botar ciúmes no Marcão e resolve dar mole para um desconhecido bonitão e saradão. Eles dançam, conversa vai, conversa vem, o cara a leva para o estacionamento e começa a pegar pesado com a garota. Assustada, Tainá pede socorro aos amigos. Marcão compra a briga e sai na porrada com o rapaz, que acaba parando no hospital, deixando nosso amigo com fama de “pitboy”, e ainda ameaçado de prisão. Kaká gravou toda a situação com seu celular, mas no meio da confusão o aparelho cai no chão e ela acaba perdendo a única prova capaz de inocentar Marcão.

EP.09 – DANCING QUEEN

photo: Rafael GringoEstá rolando um estresse pesado entre os seis amigos: cobranças, fofoquinhas, ciumeiras… Com seu habitual sincericídio, Kaká pega pesado e comenta sobre a festa em que Tainá quase “deu” pro Marcão no banco de trás do carro da mãe da Monique. Resultado? Cesinha fica com ciúmes, Tainá fica sem graça e  Marcão se irrita com tanta invasão de privacidade. Elepê decide levantar o astral da galera unindo todo o mundo para gravar um vídeo bem trash e mandar para o  TV ZÉ do Multishow. Cesinha grava, Marcão produz… a galera capricha no visual.

EP.10 – DECLARAÇÕES

photo: Rafael GringoTainá tem um sonho perturbador em que Marcão está se afogando enquanto ela e Cesinha se beijam loucamente. Kaká aconselha a amiga a parar de investir em qualquer coisa além de amizade com Marcão. Tainá concorda e resolve “deletar” Marcão da sua vida… até que elas descobrem que Marcão está apaixonado e querendo assumir um namoro sério com uma outra garota, e pior: ela é linda e gostosona! Fuçando o orkut dela descobrem que Marcão escreveu para ela… uma declaração de amor! Descontrolada de ciúmes, Tainá resolve tomar uma atitude radical.

Perfil


GRINGO. Também conhecido como Rafael. "Jack of all trades, master of none" - Competente em muitas coisas, especialista em nenhuma. Carioca, mas um dia ainda vai conseguir ir morar no Sul. Fotógrafo, designer, redator e editor de vídeo - mais ou menos nessa ordem. Já foi jornalista underground, editor de site de música e produtor de shows. Amante incondicional de tequila, mas não dispensa a boa e velha roda de cerveja com os amigos. Amante também da arte, em todos os aspectos. Deveras sonhador, mas determinado o bastante para conseguir as coisas que almeja. Violent mood swings: Humor um tanto quanto instável, embora as mudanças felizmente não durem muito tempo. Realista. Teimoso. Senso crítico apurado. Melhor amigo de Murphy.

Visitas

  • 9,595 hits

RSS Inside Techno

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.